In the project Objective Passional Terrains, the situationist concept of 'psychogeography' receives an algorithmic element with the ‘Driftscope’ – the helmet that feels the city.

Equipped with a Raspberry Pi 3, two cameras (objective and subjective) and five environmental sensors, the wearable apparatus is triggered by the artist's facial expression while walking around. The collected data goes through an algorithmic process of revelation and editing. A series of videos, available to the audience on and offline, condenses the moments in which a certain emotion was predominant during the artist’s walk through the city – between happy, sad and angry (astonished, soon).

Each new exhibition of Objective Passional Terrains seeks the reappropriation of the apparatus and environment. In this sense, all work generated by the Driftscope is site-specific. The aesthetic experience re-creates the urban space from a cyborg lens, following the current of thought that studies the ‘non-human photography’. Nearly 60 years after Guy Debord's classic situationist essay, ‘Theory of the Dérive’, we propose using technology to ironize two pillars of the present information society: surveillance devices and networked self-referential egos.

Drifting is uselessness, art as resistance, counter-narrative.
Quem vê corretamente o rosto humano: o fotógrafo,
o espelho, o pintor?
Ou o algoritmo?


Who correctly sees the human face: the photographer,
the mirror, the painter?
Or the algorithm?
TERRENOS APAIXONANTEMENTE OBJETIVOS
OBJECTIVE PASSIONAL TERRAINS
Lucas Pretti + Tiago F. Pimentel, São Paulo (BR), 2017
No projeto Terrenos Apaixonantemente Objetivos, o conceito situacionista de 'psicogeografia' ganha um elemento algorítmico com o Derivoscópio – o capacete que sente a cidade.

Equipado com um Raspberry Pi 3, duas câmeras (objetiva e subjetiva) e cinco sensores ambientais, o aparato vestível é disparado pela expressão do artista-caminhante. Os dados coletados passam por um processo de 'revelação' e 'montagem algorítmica'. Uma série de vídeos, disponível para o público e compilada na Internet, condensa os momentos em que cada emoção foi predominante durante aquele deambular pela cidade - alternando entre alegria, tristeza ou brabeza (em breve, surpresa).

Cada nova ação/exposição de Terrenos Apaixonantemente Objetivos busca a reapropriação do aparato e do entorno. Nesse sentido, toda obra gerada pelo Derivoscópio é site-specific. A experiência estética recria o espaço urbano a partir de uma ótica ciborgue, inserindo-se na corrente de pensamento que estuda experimentos de 'fotografia não-humana'. Quase 60 anos depois do texto clássico do situacionista Guy Debord, 'Teoria da Deriva', propomos usar a tecnologia para poeti-ironizar dois pilares da sociedade da informação: os dispositivos de vigilância e os egos autorreferentes em rede.

Deriva é inutilidade, arte-resistência, contra-narrativa.
/EXPOSIÇÕES
/EXHIBITIONS
2017

Sep 7-11
Ars Electronica
@Linz, AT

Oct 1-3
Unesp Arts Institute
@São Paulo, BR

Oct 27 - Nov 25
Coletivo Digital
@São Paulo, BR

.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
.

quer expor?
contato

want to host it? contact us
documentation (soon)
watch all drifts (soon)
documentação
ver todas as derivas
credit: Francele Cocco